sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

e agora sim,

uma semaninha de férias para (tentar) dormir, descansar, estar com a minha miúda, ler e começar outra série.

a ler


sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

"Ligou para o não sei quê, de momento estamos encerrados..."

Uma pessoa tem dias que até fica contente. Fui chamada ao gabinete do chefe para gravar o voice mail para a linha portuguesa e inglesa. Perguntei á Michelle porque não gravava ela, uma vez que é britânica, e ela disse-me que gostava mais do meu sotaque, "very posh".

São estas pequenas coisas que nos aquecem o coração, apesar de termos um emprego assim a dar para o trampex. Mas a bem dizer pagam a horas, tenho seguro de saúde, assim que boto os pés fora daqui não perco 1 segundo a pensar em trabalho. E isto não tem preço.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

o que vem aí

A minha supervisora, uma vegan britânica super cool, disse-me hoje que vem aí uma nova série. E diz que é para os fãs do Dexter. Chama-se Penny Dreadful, e é  um"frightening psychological thriller that weaves together these classic horror origin stories into a new adult drama." (desculpem lá mas não me apeteceu traduzir)

Ora,  pus-me logo a pesquisar. Vi o teaser trailer e não sei se tenho estômago para aquilo. Parece estranho vindo de uma fã do Dexter, mas eu cá tenho um problema com demónios e possessões e cenas religiosas. Duas cenas positivas: a Eva Green e o Sam Mendes.

p.s. E porquê "Penny Dreadful"? Era uma publicação britânica do séc.19, com histórias violentas ou "horríveis", que custava one penny.

trópicos e cenas do trabalho

Por aqui no trabalho continuamos nos trópicos. Tudo a trabalhar em t-shirt, super saudável.
Mas, boas notícias, parece que ao fim de mais de 3 semanas as chefias se aperceberam que estamos lentamente a assar. Hoje apareceu aqui uma chefona a dizer "voçês aqui têm um bocadinho de calor não?". Não filha, lá fora estão 8 graus e eu estou de t-shirt a trabalhar, é impressão tua. E já disse que ainda estou com a tal otite? Cortesia deste maravilhoso ar condicionado. Dizem que a partir de sexta feira o problema estará certamente resolvido, mas entretanto a otite ninguém ma tira.

Nos entretantos, pedi transferência para o velho edifício próximo da 24 de Julho, já não aguento trabalhar mais neste degredo que é a Expo. Não me levem a mal, tem o rio e edifícios novos, mas não é a minha praia. Gostos não se discutem e eu cá gosto de paz e sossego, e poucas pessoas.
Perco horas nos transportes (a ler, é certo), mas não deixo de pensar na inutilidade disto tudo. O tempo que se perde, os nervos que uma pessoa apanha.

Já chegou o rapazinho que me vai substituir, e está em formação. Alex, 24 anos, pai australiano/aborígene e mãe holandesa. A minha supervisora está contente com ele, mas diz que o inglês dele não chega aos meus calcanhares. Disso sei eu, modéstia á parte.
Correndo o risco de ir para uma campanha portuguesa a vender seguros ou outra trampa qualquer, e desperdiçar a minha facilidade com as línguas (já nem falo das minhas habilitações), o que me interessa é ter mais tempo para a minha filha. E para mim.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

goodbye

Acabei ontem de ver a última temporada.  Adorei. Percebo finalmente toda a polémica que se gerou com o final, mas acho que foi brilhante, fez todo o sentido. Chorei que nem uma madalena arrependida.
Adeus Dex, foste uma boa companhia. (adeus á série, este comentário não tem spoilers)
Enfim, não posso dizer mais nada.

Entretanto já tenho a primeira temporada do Breaking Bad.
Recomendam assim mais alguma coisa tipo imperdível?

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

facadinhas no ouvido

Já se adivinhava. Estou com uma valente constipação há mais de uma semana. Está um frio de rachar na rua. No trabalho estou de t-shirt (a sério. Morre-se de calor no Inverno e de frio no verão. Faz sentido).
Ontem a meio da tarde comecei a sentir uma comichão no ouvido esquerdo e pensei logo mau maria. Á noite estava que nem podia, e hoje de manhã a médica, de otoscópio em punho, disse"ui isto está bonito".
De maneiras que estou a antibiótico, em casa e meia surda. E agora vou ali comer uma massa com molho de tomate, que estava no frigorífico nem sei há quanto tempo. O problema é que não tenho nem olfacto, nem paladar. Não há de ser nada.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Balofa

Sinto-me balofa. Anafada. As jeans estão apertadas e só me sinto confortável em leggins, que só uso com camisolas que tapem o derriere, como é óbvio. Quem me conhece deve estar a rir-se, porque eu sou magrinha. E sou. Da cintura para cima. Mas, da cintura para baixo são outros quinhentos. A zona do rabo e coxas estão a ganhar vida própria, quando ando, sinto que partes de mim abanam quando não deviam abanar.
Vá lá que ainda estamos em Dezembro, não tenho de me precocupar com a praia, como se de facto isso me preocupasse.

Anyway. Claro que eu sei porque é que isto está a acontecer. Chama-se "comer um doce todos os dias". Todos os dias.Mas o facto é que estou mais preocupada com a saúde do que com o tamanho das minhas coxas enchouriçadas nas jeans.
É que não pode ser. Assim, apesar de continuar a comer doces, comecei a comer menos á noite. Sopinha, saladinha, queijinho fresco, porçoes pequenas, do tamanho do meu punho.
Depois começo a cortar nos doces, de 2 em 2 dias, 3 em 3, etc.
É que não posso cortar os doce assim de repente. Ainda me dá uma coisinha má.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

comfort mousse

Mousse de Oreo

1 pacote de bolachas oreo
1 pacote de natas frescas
1 lata de leite condensado cozido


Retirar o creme branco das bolachas e triturá-las bem. (podem deixar o creme, mas a mousse já é tão doce...)
Bater bem as natas, juntar o leite condensado e depois as bolachas trituradas. Colocar numa taça de vidro e levar ao frigorífico algumas horas.

Esta receita dissipa qualquer nuvem negra que podeis ter por cima de vossas cabeças.

sábado, 9 de novembro de 2013

pequenos, grandes, prazeres

Uma esplanada numa manha solarenga, um galao e um papo seco e este livro que nao consigo pousar.

p.s. e entretanto o meu portatil jurassico faleceu. o meu colega ingles emprestou/me o notebook dele, de onde vos escrevo, para ver se me agrada, pois que me fara um bom preco. nao percebo este teclado, nao sei onde estao os acentos, os parentesis e a arroba.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

ao pé do rio, sempre. ao menos isso

O meu trabalho agora é na Expo. Mudámos para umas instalações novas, fresquinhas, janelas de alto a baixo, elevadores modernos e uma cantina que é um regalo a comparar com a outra. Estou próxima do rio (como estava antes) o que me apraz bastante. Posso pegar na marmita e ir anti-socializar, ou socializar comigo, sossegada a ler o meu livro. Também posso almoçar acompanhada, mas raramente me apetece.
Os contras são alguns, chego uma hora mais tarde a casa e ando a levantar-me ás 6h15, o que devia ser proibido por lei. Outra chatice aqui é a poluição visual e sonora, absolutamente tremenda, gente a correr para todo o lado, muita gente, muitos carros e autocarros e trânsito e buzinas. E eu preciso de criar a minha bolha e abstraír-me disto. Assim sendo tenho duas opções: a primeira usar um rádio e ouvir um jazz simpático ou pôr tampões de cera nos ouvidos.
Mas enfim, que diabo, devemos concentrarmo-nos em todas as coisas positivas da vida e mais não sei quê, certo?

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

humores

Tenho dias, semanas, meses, em que não me apetece escrever aqui. Penso também que estou farta deste design (da falta dele). E finalmente, passa-me pela cabeça mandar isto tudo pro galheiro. Mas depois tenho pena. Das poucas pessoas que me ouvem, e e que eu sigo, desta coisa dos blogues, que valem o que valem, mas que entretém tanto a gente.
De maneiras que é isto, não se voltei ou vou voltando.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

avó psicóloga

21h 
a minha miúda brincava animadamente com a minha mãe, quando, 

eu: "mãe, olha que são nove horas, já não são horas de brincar, ela tem de ir dormir."
avó : "Ninguém está a brincar, não vês que ela está a dramatizar uma situação?"

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

a ler

Depois de ter tentado ler este livro, sem sucesso, regresso aos policiais/trhrillers. A menina de Ouro foi uma desilusão,  li cerca de metade do livro e tudo me soava a Nicholas Sparks, que não é a minha praia definitivamente, género dramalhão para fazer chorar as pedras da calçada. Ou então sou eu que neste preciso momento da minha vida, simplesmente não tenho paciência.
E, embora não me possa alongar muito sobre este preciso momento da minha vida (um dia falarei sobre isso) acho que o facto de ver o Dexter e ler policiais diz muito.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

ora

depois do torcicolo (que ainda não passou) e de ficar sem voz no fim de semana, agora tenho um princípio de otite. Alguém conhece uma bruxa jeitosa?

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Afinal,

há sempre tempo para ver séries. É só uma questão de interesse. Ou são boas e te fazem ficar acordada, ou não. No meu caso, nem o torcicolo que tenho há uma semana me impediu de ver a primeira temporada toda do Dexter. Apesar do sono, vou para a segunda temporada.

Entretanto tenho de ir ao endireita, senão fico entrevadinha de todo. Não há emplastro nem comprimido que me valha, e não ajuda estar o dia todo sentada em frente ao computador.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

pessoal das leituras

Já leram Jo Nesbo, recomendam algum?
Suponho que este será o primeiro não? 

aha!

Afinal fiz lindamente em começar a ver esta série. O meu sexto sentido estava certo. Estou a meio da primeira temporada, e ando cheia de sono, mas é a vida. Tão bom que isto é.
No domingo á tarde estive sozinha, e em vez de ir passear, comer um gelado ou apanhar sol, estive a ver uns quantos episódios seguidos. Tipo 7 episódios. Nerd. É a idade, é o que é.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

o barato sai caro

Já dizia a minha mãe. Comprei umas sabrinas na Primark, uma pechincha, e se continua a chover estou em crer que se desfazem no caminho para casa. Ainda para mais deitam um pivete que não se pode.
Estamos sempre a aprender.

temporada aberta

Ouverture de la saison. 
Declaro aberta a temporada de ranho a rodos, de todas as cores e feitios, á escolha do freguês, tosse disponível 24/7 com maior incidência no período nocturno entre as 21h e as 6h. Aumento da temperatura poderá ocorrer ocasionalmente.
Summer is officially over.


terça-feira, 24 de setembro de 2013

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

devo ter sido mordida pela mosca tsé-tsé

Leio pela blogosfera relatos de mães de bébés pequenos que se fartam de ver séries, saiem (sem os rebentos) andam sempre frescas e bem vestidas. Eu hoje ainda não eram 9h e já tomava um banho depois de carregar a miúda, a mochila dela, o urso, a minha mala e a minha marmita.
Mas o meu espanto nem está tanto no andar fresca e bem vestida ou sair imenso, que poderá estar relacionado com algum conforto económico, digo eu.
O meu pasmo são as séries. Como é possível verem tanta televisão? Como têm tempo? Não têm sono? Eu caio redonda na cama depois de arrumar tudo, nem tenho coragem para acender a televisão.

Nesta semana que passou pensei na desforra, e imaginei-me a papar séries como se não houvesse amanhã. Ora então tinha á minha disposição a primeira temporada do Dexter (não se riam por favor, já sei que vai na 8ª temporada) e a nova série super in Orange is the new Black.
Consegui ver o primeiro episódio do Dexter, e mais 20 minutos do segundo.
As outras mães não têm sono?

domingo, 15 de setembro de 2013

fracturas e limpezas

Uma semana de férias, para acompanhar a minha filha na creche, e este foi o único filme que consegui ver. E uma trampa por sinal. Hopkins é todo ele um cliché, que até faz aflição, e o Gosling, enfim, lava os olhos embora neste filme ainda estivesse em fase casulo, if you know what i mean.

E o resto da semana foi passada a passar a ferro, fazer máquinas, estender roupa, limpar armários, organizar a roupa da miúda, ir ao supermercado, limpar, limpar, limpar. Deve ter sido dos nervos de saber a coisa mais linda da minha vida lá na creche que me deu para isto.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

creche, os primeiros dias

No meu primeiro dia* custou um bocadinho deixá-la, ela chorou e a educadora teve de a tirar dos meus braços. Vim para casa triste e cheia de saudades dela. Mas segundo a educadora ele esteve bem disposta o dia todo. Eu fartei-me de limpar, provavelmente para não pensar nela (estou de férias esta semana). Máquinas de roupa, limpar chão, livros, armários, ver a roupa dela do ano passado e selecionar o que já não serve, fazer uma catrefada de máquinas com a roupa que me deram (maravilha!!) e organizar tudo. Fui busca-la as 15h30 e a educadora disse-me para eu voltar passado uma hora que ainda não tinham lanchado. Fiquei no carro á espera.

No segundo dia despediu-se de mim com um aceno "até logo mãe" e o dia correu bem, exceptuando as birras em casa, mas isso não conta.

Tem chorado sempre de manhã, e ao fim da tarde e de manhã diz-me sempre que não quer ir para a escola, mas depois fica bem quando lá está. Isto custa caraças.

* ela já tinha feito três dias com o pai

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

não downloadarás!

Ate veres todos os filmes que tens no disco.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

primeiro dia

Hoje foi o primeiro dia de creche da minha filha. Infelizmente eu não pude estar presente, estarei para a semana. Foi com o pai de manhã e segundo o serviço noticioso "pai sms", acabou por ficar a almoçar com uma  nova amiguinha(sweeeeet)Já sei que isto pode ser sol de pouca dura, veremos.

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

#porquê#?#

Alguém me explica esta nova (e mui irritante) mania de pôr fotografias no facebook tipo instagram e depois #dizer#que#foi#aqui#que#tiraram#a#foto#espectacular#supéfashion?
É que me dá uma trabalheira ler a legenda. Eu devo estar muito out.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

só uma perguntinha,

não é proibido os putos terem febre em Agosto?

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

desfralde

Em Junho e Julho andei preocupadíssima, a tentar que a miíuda deixasse as fraldas, porque era o timing certo (para quem?), e fazia calor, e toda a gente dizia que estava na altura, e tem que ser agora e mais não sei quê. E ela não quis. Dizia que não queria xixi no penico, só na fralda.
Esta semana acordou uma manhã e disse-me "quero cuecas como a mãe". Desde esse dia tem usado cuecas o dia todo, e é uma cena para lhe conseguir pôr a fralda à noite.
De maneira que não vale a pena stressarmos com o que "tem de ser" ou "é suposto acontecer".
Quando tem de ser, é. Ponto.

Um espectáculo!

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

lunch time

Ontem almocei com o Rafa, o meu colega polaco. Eu gozo com ele porque ele está sempre a comer pickles e ele comigo porque como muitos pastéis de nata*. Ao ver o meu tupperware que continha arroz de ervilhas, ele vira-se e diz-me "So, no food today ?".**

*agora vou cortar nos doces. estou sériamente preocupada com a forma que o meu derriére está a tomar. Sou magrinha, de maneiras que vou parecer uma pêra não tarda muito. Uma pêra grande.
** muita gracinha têm estes comedores de carne.

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Mãe,

porque é que a kitty não tem boca?

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

a ler


Livrinho de capa dura xuxu beleza, comprado na Amazon por uma pechincha de 8 euros.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

dica para as meninas

Para quem quer andar com o cabelo todo lambido, e não quer torrar o cabelo e a carteira em alisamentos estrangeiros, recomendo o champô da tresemme. Tiro e queda.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

a ler


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

férias

Estive na zona oeste. A minha miúda divertiu-se à brava, que era o que se queria. Dos dois dias que fomos à praia, Ribeira d'Ilhas* e São Lourenço, choveu, mas ela brincou na areia e molhou os pés na mesma. De volta a casa ainda mais cansada do que fui. De volta ao trabalho.

*o que fizeram ali, não tem palavras. 

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

um deserto

anda por aqui.  Blogs parados, poucos comentários. Tudo de férias no bem bom. Ora eu também vou.
No domingo e até quarta feira. Excusado será dizer o quanto precisava de descansar, sair daqui, arejar. Talvez para o ano dê para tirar mais tempo, se tiver contrato. Agora tenho emprego o que já é bem bom.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

a ler

Por aqui andamos a ler este livro. Para uma nova etapa que começa já no próximo mês.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

therapy

Samantha: "Maybe you should think about whining to a shrink."
Carrie: " Why should I pay someone when we can talk for free... and then get a drink or whatever? I don't need professional help. I've got you guys"
Miranda: " For another ten minutes. Then we're cutting you off. Cold turkey."
Carrie: "Hey, I don't need therapy, I need new friends."
Miranda: "Look, we're as fucked up as you are. It's like the blind leading the blind. Sometimes it helps talking to someone objective."

Sex and the City


Cada um faz o que pode. Por si próprio e pelos que o rodeiam.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

quarta-feira, 24 de julho de 2013

museu da cidade




Jardim Bordalo Pinheiro
(tirei muitas mais fotografias, mas não saíram bem, o jardim tem peças muito giras. ah, os pavões são verdadeiros)

terça-feira, 23 de julho de 2013

a ler


segunda-feira, 22 de julho de 2013

decoração "vintage"

Ando há procura de umas imagens giras para emoldurar e pôr na minha cozinha. A temática será culinária ou marcas antigas. Alguém conhece um site ou banco de imagens de onde eu possa imprimir esse tipo de imagens? Depois do summer cleanning apetece-me mudar algumas coisas, e em não podendo redecorar a valer, recorre-se a outros truques.

Ontem, numa ida ao horto do campo grande (não comprarás mais plantas, não comprarás mais plantas) trouxe um vaso e andei a namorar plantas. Ainda me lembro de refilar com a minha mãe e as suas plantas na cozinha. As penduradas em vasos de cordas, e as que estavam por cima da máquina de lavar. Mãe que piroso, dizia eu. Hoje orgulho-me da selva que tenho em cima do frigorífico.

Isto para dizer que no horto, encontrei uns guardanapos que tinham imagens muito giras, de azeitonas, tomates, etc, e que davam uns quadros bem giros. Só não os comprei porque o rendilhado dos guardanapos era muito evidente...

quinta-feira, 18 de julho de 2013

summer cleanning

Eu sei, estou atrasada, e arrasada. Já percebi porque se fazem as limpezas na Primavera e não no Verão. Digamos que está relacionado com as glândulas sudoríparas que desatam a produzir que nem umas malucas.
Quanto ás limpezas a unica coisa que ficou de fora foi a minha estante dos livros, porque exige uma limpeza e arrumação mais cuidada. Normalmente acabo de ler e ponho os livros em cima dos que já estão arrumados, o que passado uns tempos dá um ar um pouco desordenado.
Coisas que me abismaram nestas limpezas: a quantidade de pó e pêlos do cão que encontrei nos cantos mais recônditos, a tralha que eu guardei e que encontrou finalmente o seu devido destino, o lixo, e o bem que me senti depois de tudo estar limpo. Nem que eu tivesse uma empregada eu me privava deste prazer.* Acontece que na cozinha, deparei-me com uma situação que me causa um profundo asco. Abstenho-me de dizer que bicheza encontrei, e em que situação. Porém devo dizer que me portei lindamente. A cesta de vime onde encontrei a bicheza, e onde ela fez carinhosamente o seu lar, entre aconchegantes sacos térmicos e sacos do ikea, foi direitinho para o lixo na rua, num contentor bem longe da minha casa. Depois deitei fora todas as embalagens de comida abertas (fechadas com molas) e dei uma limpeza a fundo com vinagre puro, arrastando móveis e tudo. Fiquei com a dispensa a 30%.
De maneiras que embora odeie as spring cleanning, vou continuar a fazê-las, mas na Primavera. E suponho que isto me acontece a mim, precisamente porque odeio odeio odeio aquelas bichezas. Não há coincidências.


*é mentira

terça-feira, 16 de julho de 2013

fazer 39 anos não custou nada, mas isto, senhores!

O karaté kid tem uma filha deste tamanho. Eu pensava que era a patroa dele.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

sexta-feira, 28 de junho de 2013

férias

A minha filha vai com o pai e os avós para o Meco na próxima segunda feira e só volta no sábado de manhã. Ela precisa de praia. Esteve o maldito inverno todo a tossir. São cinco dias. Nunca estive tanto tempo (nenhum tempo) sem ela. Já sei que faz bem a ela e a mim e mais não sei quê. Oscilo entre a euforia de um merecido descanso e a angústia da separação.
Posso chegar a casa e atirar-me para o sofá sem me mexer mais, posso dormir a noite toda até me doerem as costas. Posso acordar com o despertador em vez do "acorda mãmã, levanta-te, já chega de óó". Posso jantar porcarias ou posso não jantar, aliás nem preciso de pensar no jantar. Posso ver filmes. Posso ouvir o silêncio ou ouvir música aos berros. Posso estar no computador calmamente sem ouvir uma vozinha doce que me pede o ruca ou o pooh. Não vou ouvir chorar, nem aturar birras. Vai ser bom, digo a mim mesma, preciso mesmo de umas férias. Mas porque sinto o coração como se fosse uma passa, pequenino, espremido e ressequido?

quinta-feira, 27 de junho de 2013

flying solo

Pois cá estou sozinha no meu posto de trabalho, com a formação feita, e com acesso aos meus bloguinhos. Eis senão quando este pc não me deixa visualisar o bloglines porque não tenho não sei quê do navegador ou do browser.  º+$%&%!!

abram a pestana

Não me apetecia escrever este post, mas achei melhor partilhar.
Os meus sogros têm ido diáriamente para um jardim infantil com a minha filha. Vão de manhã pela fresquinha. Na segunda feira passada notaram a presença de 5 homens, estrategicamente posicionados (três num banco de jardim, e outros dois afastados) que olhavam para as crianças com um telemóvel discretamente na mão. Assim que se aperceberam da situação foram para casa, não sem antes passar pela polícia para fazer uma queixa.
Estejam atentas.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

já vos mostrei as minhas socas?

(a minha mãe tem medo que eu parta uma perna, o meu namorado diz que é piroso, a minha irmã torce o nariz, e eu a quinze dias de fazer 39 anos quero lá saber, caguei, porque é mais importante satisfazer a minha criança interior, que sempre quis umas socas.)

terça-feira, 25 de junho de 2013

ser mulher (ou ser eu)

No início deste ano tinha o cabelo comprido, franja, e umas nuances californianas lindas. Depois fartei-me. Cortei o cabelo pelos ombros, lá se foram as californianas, comecei a deixar crescer a franja, e ainda pintei o cabelo mais escuro.
Agora vou fazer franja, esperar que a tinta saia e que o cabelo cresça, para poder fazer as californianas.
Simples, não é?

segunda-feira, 24 de junho de 2013

domingo, 23 de junho de 2013

a ler


sexta-feira, 21 de junho de 2013

hoje

Já nem me lembro da última vez que fui ao teatro, vai ser a loucura!

quinta-feira, 20 de junho de 2013

one of the boys

(notícias do meu uber cosmopolita e fantástico trabalho no call center)
A campanha para onde fui transferida tem um horário maravilhoso, das 9h ás 18h. Depois de quase um ano a sair ás 19h30, só vos digo que é qualquer coisa sair a horas decentes. Foi uma mudança pela qual muito esperei e batalhei.
A campanha é mais exigente, a linguagem muito mais técnica e os problemas a resolver mais delicados. Mas tudo isso é melhor, porque o trabalho não é tão desmotivante. O meu inglês está para lá de bom, ponto positivo a reter. E embora tenha ficado sem as minhas duas amigas que tanta falta me fazem (foram para a expo) agora estou numa equipa nova, e ganhei dois amigos.
Se antes era one of the girls, numa equipa maioritariamente feminina, onde eu era a única na linha inglesa, agora sou one of the boys, na linha inglesa com mais dois rapazes. E o que eu me rio com eles, são levados da breca.
E por vezes as coisas neste mundo louco e universo sem nexo parecem encaixar como se fosse magia pura. Se antes refilava pelo facto de este trabalho ser aborrecido, estar para além das minhas habilitações, blá blá, neste momento da minha vida é perfeito. Neste tumulto emocional em que vivo, um trabalho destes é mesmo o que eu preciso, não conseguiria fazer mais nada. Mais tarde explicarei porquê, quando estiver mais distanciada destes tempos.

domingo, 16 de junho de 2013

do livro

"Mais tarde porém, quando ele foi viver para a Revolução e quando de lá me enviou esparsas cartas e alguns absurdos presentes pelo Natal ou pelos meus anos, julguei perceber que a sua distância era apenas o reflexo e a medida do sofrimento dele pela morte da que fora sua mulher. Imaginei que, quando me olhava, via em mim o olhar dela, ouvia na minha voz a voz dela, nas perguntas que eu fazia reconhecia a maneira de pensar dela, e tudo isso lhe trazia de volta quem, por necessidade de sobrevivência, ele decidira deixar morta para sempre. Porque hoje eu sei que só morrem verdadeiramente aqueles que, depois de mortos, nós conseguimos matar também. E nada é pior que um morto-vivo, habitando lado a lado com os que não morreram e tiveram a coragem de tentar viver para além da morte dos que amavam."

Madrugada Suja
Miguel Sousa Tavares

sábado, 15 de junho de 2013

sábado, 1 de junho de 2013

a propósito de mudanças

Na sexta feira comecei a formação para integrar uma nova campanha. Também é em inglês, com a vantagem de só ter chamadas inbound (chamadas recebidas) e emails, e o horário é das 9h-18h. Finalmente, depois de muito batalhar consegui mudar de campanha (quase um ano). Ainda é temporário, terei de ser avaliada após a formação, e não sei se me podem entretanto colocar noutra campanha, mas por enquanto é assim.
É com muita pena que deixo as minhas duas copines que me alegravam tanto o dia, e o meu supervisor, o puto holandês mais fixe do mundo, mas a minha filha em primeiro lugar.
Novidades para breve.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

uma semana depois

"Mãe preciso de soffiare o nasino!" (assoar o narizinho)
"Põe aqui no mezzo." (no meio)
"O elefante é scapato!" (fugiu)
"Olha tantos sassolini bianchi!" (pedrinhas brancas)
"Mãe não saias daí, ferma." (quieta)
"Vamos mangiare a massinha?" (comer)

quarta-feira, 29 de maio de 2013

so many books...

Acabei de fazer uma encomenda de 3 livros no wook, porque tinha um vale de desconto.
entretanto comecei o Capote, que uma colega me emprestou, sem eu lhe ter pedido o livro (isto é que é uma recomendação!). Continuo a ler o Inverno do Mundo.
Entretanto este já saiu, e como é óbvio vou ter de encomendar pela net. Pareço uma miúda em véspera de natal.

sábado, 25 de maio de 2013

quarta-feira, 22 de maio de 2013

expliquem-me

Porque existem pessoas que não gostam de ir ao cinema sozinhas? E quando eu digo que por vezes vou, e ainda por cima gosto, olham-me como se fosse a coisa mais bizarra do mundo?
Porque há pessoas que têm pavor em almoçar sozinhas? "ai, não gosto nada de almoçar sozinha, posso ir contigo?"
Terão receio do que os outros possam pensar delas, ai coitada está ali a almoçar sozinha porque não tem amigos (não é porque tem fome, não, de todo).
Terão vergonha, e se sim, de quê?  Não estarão a almoçar com uma das pessoas que mais gostam no mundo?
Não percebo, a sério, este estigma do "estar sozinho".
É que estar sozinho não é o mesmo que estar só.

terça-feira, 21 de maio de 2013

ch-ch-ch-changes

Well, well. O meu supervisor já me avisou que a equipa toda se vai mudar para a expo no início de Junho. Foi  simpático ter-me chamado à parte, evitando assim derramamento de lágrimas em público, ou outras situações constrangedoras.
Disse-me que estão à procura de outra situação para mim, outra campanha, outro horário, que me permita estar com a minha filha e que seja benéfica para eles também.
E entretanto já comecei a dar formação a uma miúda que me vai substituir, embora eu ainda não saiba para onde vou. A bit scary. Assim o acesso aqui aos blogs anda meio interdito porque estou a dar formação. Novidades para breve.

domingo, 19 de maio de 2013

i nonni/os avós

Ontem chegaram os nonni, e há muito tempo eu não via a minha filha tão contente. Dava pulinhos de alegria, gritinhos, quis desenhar com eles, cozinhar e beber chá, vestir o bébé, brincar com os carros e mostrar os peluches preferidos. Houve até uma altura em que me disse para eu sair do quarto "vai via mamma". (a minha mãe, que é psi, disse-me que isto é bom sinal, significa que ela tem a capacidade de investir emocionalmente em mais do que uma pessoa) E vê-la a brincar com os nonni encheu-me de ternura. Pensei que ela não tem a sorte que eu tive de ter os meus 4 avós perto de mim. E isso encheu-me de tristeza.
E de noite sonhei.

Era de noite, e eu corria assustada pelas ruas de Lisboa. Alguém me queria fazer mal. Eu corria e os meu pés pesavam tanto. Cheguei à praça do areeiro, onde moravam os meu avós paternos, e gritei que me abrissem a porta.
(A ultima vez que estive naquela casa, foi num dia cinzento e frio, e as 8 assoalhadas estavam vazias de tudo. De coisas, de pessoas, de memórias. Que triste foi perceber que terminava a era dos avós, e começava outra.)
Abriram-me a porta, galguei as escadas e encontrei a casa plena de luz, com todas as coisas no seu sítio, cheia de vida. O meu avô estava à minha espera e eu afundei-me no seu abraço forte enquanto chorava e chorava.

Que falta fazem os avós.
O sonho fez-me recordar tantas coisas boas. Os meus avós cheios de vida, os grandes almoços familiares de sábado, o leite creme, o bolo de laranja, as gemadas que a minha avó me dava, a Ivone, que era a cadela do meu tio que adorava batatas fritas, sentar-me na camilha a aquecer as pernas na braseira, o perú bêbedo que encontrei na casa de banho na véspera de natal, os torneios de canasta da minha avó com as suas amigas, a Violeta meia zarolha a passar a ferro, a Rosa, cozinheira, que tinha vindo da aldeia e que era amiga do tinto, os sapatos de salto alto da minha avó (calçava o 35), os chapéus com penas, redes, flores, de todas as cores e feitios, os vestidos e as peles que eu e a minha irmã adorávamos, a Mina (este será outro post) o meu avô com a sua gargalhada generosa, o meu avô que agarrava no guardanapo na ponta e depois fingia que mo atirava por cima dos pratos enquanto dizia, come Patrícia, o meu avô que adorava touradas e comia tudo com gosto, o meu avô que me levava ao café e me punha a mão no ombro enquanto íamos pela rua. o meu avô cheio de vida. o meu avô.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

a ler




quinta-feira, 16 de maio de 2013

crescer

Reparamos que os nossos filhos crescem pela altura, pela roupa que deixa de servir, pelos dentes que vão nascendo, pelas palavras que vão aprendendo a um ritmo alucinante e pela forma como interagem conosco e com o mundo.
Ontem, pela primeira vez, a minha filha "contou-me" uma coisa que se passou com ela durante o dia.
Cheguei a casa e depois de ouvir a voz dela vinda da cozinha "é a mamma!" seguiram-se os beijinhos e abraços do costume. Depois ela pega na minha mão, leva-me para o quarto dela e diz "anda vou mostrar-te uma coisa", aponta para a cama (que já não tem grade) e diz "estás a ver o buco?" (buraco) "eu caí, fiz dódói na cabeça e depois fiz uáuáuá, mamã, mamã uáuá".

:-)

p.s. Ah, e  já caíu duas vezes da cama, batendo com a cabeça no chão (uma delas foi completamente atrás do choro), e nenhuma das vezes estava a dormir.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

friozinho na barriga

ohhhh ♥ ligaram-me da creche a dizer que precisam de tirar as medidas da minha miúda para a bata e o chapéu♥
(e a dizer que tenho de pagar 100 euros de inscrição)

terça-feira, 14 de maio de 2013

atitude quê?

Lembram-se deste post? Pois. Os meus sogros chegam este sábado e a minha atitude zen foi toda para o caneco.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

out

Eu gosto de jazz e gosto de jardins, e acho que deve ser simpático estar  a relaxar com os pézinhos na relva enquanto bebo um panachet e a minha miúda anda ali aos saltinhos.
Mas quando vejo as fotografias do out jazz agradeço a todos os santinhos nunca ter ido a nenhum. É impressão minha ou aquilo é igualzinho ao colombo num domingo, mas ao ar livre?

make up

Este sábado que passou, eram 9h da matina já estava eu num workshop de auto-maquilhagem. Foi uma prenda de natal, que eu deixei mesmo para o fim da validade, sendo que, já não tive grande hipótese na escolha do horário.
Aprendi as regras básicas, alguns truques, e no final maquilhei-me sozinha. E isto é um feito tremendo, porque aquilo é difícil. É preciso ter mão, ser um bocadinho Rembrandt.
Nem a parte do rimmel me safei. Não se penteiam as pestanas a direito, mas aos ziguezagues. Também não acertei na base, é preciso pôr um premier. Ninguém pinta uma parede sem pôr primeiro um primário, certo? E o iluminador, e o pó e o lápis para os lábios, e jamais em tempo algum se pintam os olhos por dentro. Sempre na raiz da pestana superior.  Só vos digo que o antes e o depois é fabuloso.  Agora é treinar, para quando for sair à noite, lá para 2020.

sexta-feira, 10 de maio de 2013

meritocracia

Há coisas que me deitam abaixo. Que me deixam muda o dia todo, sem vontade de fazer conversa de circunstância com ninguém. Viro-me para o computador faço o que tenho a fazer, almoço bem acompanhada com o meu livro, e chega a hora e vou-me embora.
Ver mais do que um caso em que a incompetência e a ignorância são premiadas dá-me a volta ao estômago. E não são coisas que ouvi dizer, são coisas que vi, e que sei.
E fico estupefacta. A minha colega diz que eu sou ingénua, mas não é isso. Eu sei que existem  cunhas e favoritismo, mas premiar alguém que faz merda publicamente deixa-me perplexa.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

auto-retrato

Auto-retrato "hoje deu-me para isto". É só uma t-shirt mas tem imensa pinta. Mas é só hoje porque não tenho roupa paciência para fazer mais posts assim.
E só porque pus esta t-shirt, entrei no carro de manhã e estava a dar esta música:

e a seguir deu esta:

E eu disse logo à minha miúda "olha o David e o Mick, isto é música a sério".  E lá fomos as duas a abanar a cabeça e cantar "uhuhuhuhuhu, uhuhuhu, uhuhuhu."

quarta-feira, 8 de maio de 2013

vejo que não tenho dotes de cabeleireira,

quando a minha filha, instigada pela minha irmã, me diz "mãe pareço o MacGyver". Golpe baixo da tia, porque a comparação é obviamente um exagero. Mas por causa das coisas cortei-lhe um dedito atrás. Quem tem ou teve filhos pequenos sabe como é difícil cortar o cabelo a seres tão pequenos, e que ainda por cima não param quietos.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

a ler

Prenda do dia da mãe.
Nota-se muito que fui eu que pedi?
(depois é só esperar por 2014 pelo último volume)

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Philip Roth

Alguém já leu? Digam-me coisas. Obrigada.

no dia do trabalhador,

trabalha-se, pois claro.
(vá, não me posso queixar que na próxima segunda é feriado no UK e não trabalho)

segunda-feira, 29 de abril de 2013

um daqueles fins de semana*

O iogurte não se come com as mãos, é com a colher. Se não comeres a massa não vais comer bolachas. Não, não vais jantar bolachas. Não se atiram os brinquedos para o chão. Arruma os teus brinquedos. Não tires as meias que ainda ficas (mais) constipada. Não podes andar com a t-shirt da gatinha porque está frio. Não metas as mãos no lixo. Não grites. Se falas a chorar e com chucha, a mãe não te percebe. Não te deites no chão. Não se mexe na carteira da mãe. Não, não é tua, é minha. Não ponhas moedas na máquina de lavar roupa. Já disse três vezes que é hora de dormir. Estás enganada, quem manda aqui sou eu, não és tu. Vai para a cama. Não saias da cama. Já bebeste água 3 vezes.  Não isto e não aquilo e não aqueloutro.

*Um bocadito de febre, dores de dentes, tosse e ranho verde.

só queria dizer uma coisa

Já arrumei todos os casacos de Inverno e não tenho qualquer intenção de os ir buscar novamente.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

as regras

A propósito deste post sobre a tpm, suponho que com a idade nos passem os desejos (de doces ou salgados) para se instalar um caos hormonal de tal ordem que, nesses dias deveria ser obrigatório termos férias. Para o bem estar da empresa e da sociedade em geral.
Ontem, no autocarro, a senhora ao meu lado mascava a pastilha de boca aberta de tal maneira, que senti o sangue a ferver-me nas veias e imaginei-me a rachar-lhe a cabeça com a Queda dos Gigantes, que estou quase a acabar. E a adorar por sinal.
Hoje, aqui na empresa, entra o casal maravilha que  faz uma campanha inglesa e tem um sotaque hiper british, afectadissimo, como se estivessem num palco a recitar Shakespeare. Não bastando isso, este par de jarras chega todos os dias 45 minutos mais cedo e senta-se no posto de trabalho à espera da hora para começar a fazer chamadas. E por vezes começam 5 minutos antes.
Ora eu, não dou nem um minuto à casa, e às 19h27 já estou de casaco vestido e de pé pronta para a grande fuga. E se alguém me telefona a essa hora, a chamada vai cair de certeza.
Ora isto, dá-me cabo dos nervos, e hoje entra o tal casal, como sempre mais cedo.
E diz ela "Is it 9 o'clock yet? ahahah" (ela sai às 21h).
E digo eu para a minha colega canadiana "Vera, have you seen taxi driver?", ela diz que sim, e eu "Today i'm like Travis Bickle without the guns"
A sério, tenho dias que parece que estou num filme americano, fuck para ali, fuck para aqui. I don't give a fuck, he's fucking nuts, enfim, uma desgraça.

nota: atenção que a maioria dos meus colegas não fala português, não estou aqui a cagar postas de pescada.

I ♥ dory *

boas notícias :-)

Finding Dory, nos cinemas em 2015.

*ellen

quinta-feira, 25 de abril de 2013

as voltas da vida

Estranhamente, anseio pela chegada dos meus sogros no final de Maio. Em princípio devem ficar um mês e meio, na casa por cima da nossa, e este ano, ao contrário do ano passado, só penso nas coisas positivas.
Vou acordar bem mais tarde todos os dias, porque o meu sogro leva o cão a dar o seu passeio matinal, e a minha sogra fica com a minha miúda. Não tenho de pegar no carro para a levar à minha mãe, e com isso gastar uma hora todas as manhãs, com os consequentes gastos e cansaços.
Vou poder ir jantar fora, ir ao cinema, ou ir à praia sozinha com o meu jovem.
Ir à praia e estar deitada na toalha, estão a ver?
Vou poder tirar um dia de folga para mim, quando quiser, se quiser.
E o mais importante de tudo, a minha filha tem direito a disfrutar da companhia dos avós, com quem só está duas vezes por ano, embora falem todos os dias no skype . E os avós têm o direito de a amarem e de lhe darem muitos miminhos, presencialmente.
 E se isso significa darem-lhe mais chocolates e gelados (porque o açucar dá "sostanza"), ou comprarem-lhe sapatos pirosos e vestirem-na ao gosto deles, assim seja.

terça-feira, 23 de abril de 2013

"watch out, i'm old and i'm coming out!"*

E com o verão,  finalmente voltaram os meus almoços fora da empresa. Num banco de jardim, ao pé de um parque ou de uma fonte.
Tenho uma colega que me diz em tom de brincadeira que eu sou anti-social porque prefiro a companhia de um livro em vez das pessoas. E eu digo-lhe que  sou mesmo um bocadinho anti social, e que há muitos livros que valem mais que a companhia de muitas pessoas (não a dela). Não gosto de almoçar no refeitório sem janelas, onde o barulho é ensurdecedor. Não gosto de perder o meu tempo a ouvir que a não sei quantas é gorda ou está mal vestida, ou andou com aquele ou aqueloutro. Também não gosto de ir para a porta da empresa fumar passivamente o cigarro dos outros.
Levo um livro e escolho um recanto ao sol, calmo e silencioso. Aproveito para ler, telefonar á minha filha, amigos, mandar uma mensagem, ou não fazer nada e sentir o vento nos cabelos.
Cada vez mais aprecio o silêncio. Gosto de aproveitar o meu tempo, e de fazer o que me dá na telha. Estou-me nas tintas se os outros gostam ou não. Quanto mais velha fico, menos fretes faço.

*Num episódio do Seinfeld, ele diz que quando chegas a uma certa idade  estás-te nas tintas para os outros, tipo estás a sair com o carro da garagem e nem olhas para trás.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Livro em 2ª mão

Alguém, por um acaso conhece quem queira vender "O Inverno do Mundo" do Ken Follett?  Alguém?
 :-)

sexta-feira, 12 de abril de 2013

é a vida

Regra geral a minha filha não chora quando a deixo na avó de manhã. Chora talvez um dia, sempre no final da semana. Hoje foi um desses dias. Estavamos no café com a minha mãe quando eu lhe disse até logo filha, a mãe vai trabalhar, brinca muito. Ela salta para o meu colo a choramingar e a dizer "não, não mãe, não vai tabaiár, não...". A minha mãe nisto diz "queres um ovo kinder?". A miúda salta imediatamente do meu colo e vai ter com o tóin (sr. antónio, dono do café) para ele lhe dar o ovo. Nem olhou para trás.  Trocada por chocolate.

quinta-feira, 11 de abril de 2013

cinema em casa


Este é um filme que nos prende desde o início. Conseguirá o Pooh satisfazer a sua barriguinha e comer o tão desejado mel? E onde andará a cauda do burrito?
Personagens doces e ternurentas, bom argumento, boas catch phrases, enfim está lá tudo, e nem cansa ver mais do que uma vez. Nós vimos em italiano, com um trabalho de actores a nível de dobragem irrepreensível, no entanto o inglês também deve ser maravilhoso. Eu e a minha miúda recomendamos.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

recomendação do pediatra



Muita praia.
(Fotografias tiradas no sábado passado na linha)

terça-feira, 9 de abril de 2013

cama de grades

Andamos a considerar a hipótese de tirar a cama de grades e pôr uma cama baixinha com protecção de lado. Ela já dorme bem, não dorme toda torta, sabe subir e descer sem problemas de uma cama normal ou sofá. Não tenta saltar as grades, mas nunca se sabe, costuma fazer um montinho com os cobertores, o que me deixa apreensiva. E depois já estou farta de fazer aquela cama, dá uma trabalheira tremenda e doem-me as cruzes.
Contem-me tudo, como foi com os vossos filhos. Com que idade tiraram a cama de grades?
Obrigada:-)

miúda bilingue

"Onde está a farfalla?" (borboleta)
"Jóni, apóstóstos!" (Joni vai al tuo posto! Jóni é o cão)
"A çã é finita" (a maçã acabou)
"O Pooh caíu no buco." (buraco)
"Põe mais sapone." (sabão, gel de banho)
"Mais pisellini mãe." (ervilhas)
"Vamos ao scibolo?" (escorrega, diz-se scivolo)
"Chiudi porta!" (fecha a porta)

segunda-feira, 8 de abril de 2013

só para não estar sempre a falar do mesmo*

Li nas notícias que o Mourinho é comparado ao Hitler pelos adeptos espanhóis (até onde chega a dor de cotovelo senhores), a Margaret Thatcher morreu com 87 anos (e eu que pensava que ela já tinha morrido) e o Diogo Morgado foi á Oprah.

*retomaremos a emissão dentro de momentos

quinta-feira, 4 de abril de 2013

mickey

Hoje apareceu um ratinho pequenino aqui no trabalho. Era ver toda a gente aos gritos, mulheres em cima das cadeiras, um corre corre, um rodopio que nem queiram saber. Uns gritavam não o matem!, outros diziam esfola!, enfim. Lá o apanharam e foi posto na rua, vivo. Ratinhos não me fazem impressão. Ratazanas já me incomodam bastante. Mas só aqueles bichinhos com sapatinhos de veludo para me fazerem pôr os pés na cadeira.
Cada um com o seu asco ou fobia de estimação.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

a ler

terça-feira, 2 de abril de 2013

crescer*

Ontem recebi o telefonema de uma creche a dizer que tinham uma vaga em Setembro para a minha filha. Oscilando entre o nervoso que quase me fez vomitar e a imensa felicidade, lá combinei um encontro com a directora pedagógica.  Adorei a creche. Pontos positivos: o espaço, muito espaço, a luz natural que entra por todas as janelas (que são muitas), as ditas janelas que são duplas (menos frio e humidade), um jardim enorme, um refeitório simpático.
Pontos negativos, ela ter entrado para uma sala não subsidiada (que será só este ano, uma vez que a partir dos 3 anos, até aos 5 são todas subsidiadas), e o facto de os meninos a partir dos 4 anos não dormirem a sesta.
Haverá mais coisa a aprofundar, tudo a seu tempo.
Vou segurar esta vaga, na esperança de que apareça outra que seja menos dispendiosa, mas que eu goste também. Pode acontecer ela entrar noutra creche subsidiada, e aí teremos de pensar. Mas entre uma subsidiada que vi, e que parece uma gruta de tão pouca luz que tem, e esta cheia de sol com jardim, sem dúvida que vale a pena fazer um esforço durante um ano.
E já a imagino de bata, de mão dada com os outros meninos, a ir para o jardim, a aprender, cantar, fazer os primeiros amiguinhos....

*Não é só a minha filha que cresce, eu também.

sexta-feira, 29 de março de 2013

quinta-feira, 28 de março de 2013

coisas boas de só ter 4 canais

Descobrir que o 5 Noites, 5 Filmes voltou à RTP2.

quarta-feira, 27 de março de 2013

god save the queen

Este fim de semana muda a hora, o que significa que passo a sair do trabalho com luz. Eu sou uma pessoa que precisa muito da luz do sol e do verão. Dispenso em absoluto o Inverno e o Outono, para mim simplesmente não existiam. Ah e as plantas e a chuva. Pois então podia ser Inverno quando eu estivesse a dormir. Perfeito.
Entretanto esta sexta é feriado (Good Friday) e segunda também (Easter Monday). Thank you.

segunda-feira, 25 de março de 2013

vá-se lá perceber

Tenho que fazer um filme para a minha miúda comer um salmãozinho ou um peixe. Ele é aviões, rucas, pocoyos, vale tudo. Agora, dêem-lhe alcaparras, que se não lhe puser um travão, é uma atrás da outra.
(o pai põe alcaparras na pizza dele, e ela também quer...)

sexta-feira, 22 de março de 2013

quem lê ken follet,

poderá ajudar-me com uma dúvida?
Tenho um valezinho da fnac para gastar, e não sei bem o que comprar, se bem percebi há uma trilogia passada na II GM (?) cujo primeiro volume é a Queda dos Gigantes, o segundo O Inverno do Mundo, e o terceiro ainda não saiu, certo?
E recomendam?
E este livro faz parte de alguma trilogia?
Obrigada, bom fim de semana:-)

quinta-feira, 21 de março de 2013

primavera

quarta-feira, 20 de março de 2013

tv

Tenho uma relação de amor-ódio com a televisão. Se por um lado adoro ver junk tv, embrutecer a ver programas estúpidos, ou fazer zapping, por outro detesto o "barulho" que faz nas nossas vidas, a sua presença omnipotente na sala. É cíclico, volta e meia aborreço-me e acabo com a televisão. Cada vez mais vejo tudo o que quero na net, filmes, séries, vídeos (e a miúda também).
Assim, reduzimos em mais de 50% o tarifário e ficámos com uma boa internet (que é o que interesssa) e 10 canais que quase não interessam a ninguém. Mesmo. Vá, tenho a RTP2 que dá o zig zag ao fim da tarde.
E bem vistas as coisas eu nunca via televisão, e isto não é nenhuma afirmação pedante-intelectualóide, quem tem filhos pequenos sabe do que falo. Não tenho tempo mesmo, e quando tenho vejo um filme na net. Assim, vamos ver como isto corre (ontem senti-me tremendamente orfã só com 10 canais, mas deve ser o efeito cold turkey tv)

terça-feira, 19 de março de 2013

nothing new on the western front

Por aqui:
- muita tosse, ranho e noites mal dormidas
- fartinha da chuva e destes fins de semana húmidos e cinzentos
- vou cortar esta trunfa, estou farta do cabelo comprido, prende-se entre as minhas costas e a cadeira, ou na almofada quando estou a dormir.
- Ia-me dando um fanico na semana passada, vi estrelas, nada nas análises, é stress e fome ("o teu mal é fome e não teres arcaboiço para a tua filha" diz a minha médica).
- o livro do Cardoso Pires é mesmo bom.
- E deixo aqui uma dica a quem tenha galochas: usem-nas só para ir ao jardim, ou levar o cão á rua, nunca as usem o dia todo. Foi a primeira (e última) vez que as trouxe, tenho os pés gelados, e parece-me que quando as tirar não vai ser agradável.

*o original é All Quiet on the Western Front, mas não ficava tão bem.

sexta-feira, 8 de março de 2013

a ler


quinta-feira, 7 de março de 2013

"escravo precisa-se"

"availability on weekdays, evenings and weekends"
aha! a sério, o que dizer deste anúncio?

quarta-feira, 6 de março de 2013

coisas que só acontecem aos outros

Ontem fiz uma coisa estúpida, mas estúpida mesmo. Serve por isso este post para vos alertar, caso se vejam na mesma situação que eu. Claro que isto não serve de alerta nenhum, que a vida está cheia de surpresas, sabemos lá nós o que nos espera atrás de uma esquina.
Ia eu numa estrada pelo Monsanto, atrás de uma carrinha branca que vinha a pastelar e consequentementre a esfrangalhar-me os nervos. Já deixei a miúda, tenho de ir trabalhar, mas antes tenho de passar por casa para varrer os pêlos do cão, pôr uma máquina a fazer, e trazer a marmita, anda sua besta! Há uma altura em que a estrada se transforma em duas faixas, mesmo antes de ir dar a uma rotunda. A carrinha começa a parar e eu penso, é agora. Meto-me pela esquerda, ultrapasso a carrinha, mesmo a tempo de ver pelo canto do olho direito um carro na rotunda a vir na minha direcção. Foi por um triz. Estúpida.
E agora o twist.
O grande final.
O carro era da gnr.

sexta-feira, 1 de março de 2013

cineminha

Gostei, está simpático sim senhor. Gostei principalmente das cenas de grupo, que dinâmica fantástica, que "maluqueira normal". E o final é muito bom.
Um filme em que os bons ganham aos maus calha sempre bem, ainda melhor se o filme é baseado numa história verídica. E eu que nunca liguei pevide ao Ben, só vos digo que é muito a meu gosto este look de finais dos anos 70.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

living on the edge

Hoje não fui trabalhar para tratar de uns assuntos, e como da parte da tarde estive em casa, por volta das 17h lá fui levar o cão à rua, exercitando as dicas do Cesar, que até têm funcionado. Adiante.
Na zona onde moro há uma parte onde o passeio está a ser refeito, e essa parte está devidamente protegida com um gradeamento alto. Ia eu a passar por ali com o cão quando vejo um casal de estrangeiros pedir ao senhor das obras para usar a casa de banho deles. Sim, daquelas portáteis. Sim, daquelas nojentas. Primeiro vai ela, e depois vai ele. E eu ali especada de boca aberta, tipo onde é que está a câmara, eu se fosse preciso fazia era pelas pernas abaixo.
(excepção feita ao optimus alive, onde não há mesmo hipótese, e tentamos ao máximo não tocar em nada, nem respirar). Há gente para tudo, é o que é.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

foi uma limpeza

O facebook já me andava a irritar. Vejo-o só no telemóvel, nas minhas pausas, por isso tenho pouco tempo para ver mensagens e posts que não me interessam. Assim sendo foi uma limpeza, passei de 131 amigos para 110, e não me fico por aqui.
Os critérios que utilizei para remover estes "amigos" foram:
- pessoas cujo perfil nem foto tem
- pessoas que nem sequer sabem o meu apelido
- pessoas com quem não falo há 30 mil anos
- pessoas que me bombardeiam com convites para eventos/jogos
- pessoas que até têm de postar o peido que dão
- pessoas que não são minhas amigas
E é isto.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

something's gotta give

Há algumas coisas na minha vida que não estão bem, e algo vai ter de mudar. São decisões difíceis com consequências grandes, mas tem de ser. Tenho de pensar bem no que posso fazer, em alternativas. Porque há coisas demasiado dolorosas, onde pagamos um preço alto demais, e o retorno claramente não compensa. Vamos ver.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

relvas

Mas não é daquela verda, fresquinha, boa para pôr o chulé no verão.
Estou mesmo a falar do outro. Era para dizer, para o shor ministro me desamparar a loja. Já não é a primeira vez que sua excelência está no meu bairro, a tomar café na esplanada onde vou com a minha filha todos os sábados e domingos. E dispenso vê-lo de calções de ciclista a dar gargalhadas com os amigalhaços com cara de corruptos. A sério, é demais.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

a vida de pi


Absolutamente maravilhoso. Há muito tempo que um filme não me transportava para outro lugar. Estive completamente absorvida enquanto vi o filme, e nem por uma vez me lembrei do sítio onde estava (na cama com um portátil no colo). Adorei tudo, as imagens lindíssimas, as cores, a música, os cenários, a história, tudo.
Haverá com certeza quem dirá que o filme peca por ser excessivamente digital. Pois a mim não me incomodou nada. Até porque convenhamos seria difícil pôr um adolescente a contracenar com um tigre de bengala num salva-vidas...  E não podendo acrescentar muito mais sem ser desmancha prazeres, digo só que achei tão bonito o final da história...

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

e ontem,

foi dia de consulta médica de check up. Estou um bocadito abaixo do peso. Enfim, digo só que não posso dar sangue if you know what I mean. Depois fui almoçar com a minha irmã, coisa que não fazia há cerca de 2 anos, o que foi excelente. Uma ida ao pingo para comprar iogurtes para a miúda, umas túlipas tão bonitas que não resisti a trazer, apesar do preço, e depois ida para casa fazer uma data de coisas desinteressantíssimas. Ponto alto da tarde, beber um chá verde com torradas a ver o E! Online. Depois chega a miúda e o pai. Miúda em êxtase com uma mochila da Miffy, dada pela amiga J. Pô-la por cima do robe e enquanto encolhia os ombros dizia que ía para a escola:-) Tão fofinha.

Com calma chego lá.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

eu não ia dizer nada,

mas li o post da Maria Bê, e pensei, eu podia ter escrito isto. Aliás, hoje até comecei a escrever um post sobre esse tema e pensei naaa, não vale a pena, e apaguei, vou continuar com os posts de cinema e outras merdas. Mas depois, ao ler este post parece que ganhei coragem e fôlego. Para dizer que tenho dias que não aguento, que não sei onde fui parar, não me reconheço mais, tenho saudades de mim. E de relaxar, e de não stressar, e de ir ao cinema, ler um livro ou passar uma tarde fora sem sentir a puta da culpa, ou sem sentir que estou a perder os poucos momentos que tenho livres com a minha filha. E que dizer dos meus amigos que nunca vejo, e de quem nunca me esqueço, e de quem tenho saudades do tamanho do mundo? E a minha família. E namorar? Nem digo nada.
E eu só quero que a minha filha seja feliz e se sinta segura e eu amo-a mais do que tudo, dava a vida por ela sem hesitar, mas pagava para dormir uma noite seguida, profundamente.
E sinto-me sozinha e desanimada, e a rotina tem o peso de um mamute (e eu que até acho a rotina securizante). E a merda do trabalho e o fantasma de ir trabalhar para o cu de judas. E o fantasma da depressão a acenar-me ali da esquina.  uf.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

hope springs

Este filme de comédia tem muito pouco, é mais sério do que parece ser, mas vale pelos actores.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

dica para jovens mães

Gostava de partilhar uma descoberta fantástica, que até agora está a funcionar lindamente.
Decerto conhecem o drama de dar um antibiótico líquido através de uma seringa, a uma criança que não o quer tomar (excluo desde já as crianças dóceis e tranquilas que abrem a boca perante a visão da colher com o medicamento).
Pois que com a minha filha, já tinha tentado a bem e neste momento estava na fase do "vai a mal". Até que eu, vá-se lá saber porquê, lhe passo a seringa para a mão e digo "toma tu, tens de empurrar aqui".
Pasmem-se que este nico de gente com 2 anos feitos agora, toma sozinha e a seguir diz-me "maijoutro?"

(tenho receio de publicar este post não vá isto acabar...)

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

238

Ontem ia-me dando uma coisinha má. Recebi a factura da electricidade e gás de Janeiro cujo simpático valor ascende ao montante do título deste post. Juro que fiquei de boca aberta a olhar para a factura. Os cento e tal euros de electricidade, embora seja um valor alto, compreendo (quer dizer, nem por isso, mas pronto). Dois aquecimentos a óleo, uma máquina de secar e um desumidificador de vez em quando, custam dinheiro. Agora o gás quase cem euros?
Liguei para a edp e tive uma conversa surreal. Resumindo, esta factura é uma rectificação, são acertos feitos pela empresa. Mas como, perguntei eu, se dou as leituras sempre no dia correcto? Ao dar a leitura supostamente não há necessidade de rectificar nada, porque os valores estão correctos. Certo, diz-me a senhora da edp, mas são rectificações. Discussão do tipo "pescadinha de rabo na boca", é pagar e calar.  Este mês vai ser uma merda.

Valha-me a minha doce filha, que de manhã me fez parar antes de entrarmos no carro, para ouvirmos os passarinhos que chilreavam tanto que até parece que anunciavam a primavera.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

django


Já gostei mais de Tarantino do que gosto hoje. Não vi o Inglourious Basterds, e detestei o Kill Bill. Adorei o Reservoir Dogs, Pulp Fiction e Jackie Brown.  Mas tudo tem o seu tempo e duvido que hoje em dia tivesse estômago para o Mr. White, Mr. Pink e Mr. Orange. Assim, fui com poucas expectativas e preparada para algum sangue. (fui como quem diz, que vi o filme em casa)
Houve muitas partes do filme que gostei, os diálogos são muito bons, a personagem do Bounty Hunter "King Shultz" rouba todo o protagonismo a Django (e muito bem), e a cena com o Don Johnson e o KKK é qualquer coisa. E foi pena não se ter descortinado um pouco mais sobre a relação entre o personagem do DiCaprio e Samuel L. Jackson, mas enfim. Entretanto a partir de certa altura o sentido de humor e os diálogos interessantes dão lugar ao sangue em modo de esguicho e malta a morrer a torto e a direito. Caem que nem tordos, já se sabe como é.
 E tive pena porque tinha tudo para ser um bom filme, assim foi só meio bom filme.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

alguém lhe perguntou alguma coisa?

Numa destas manhãs cinzentas, cheguei á rua da minha mãe, estacionei o carro tirei a minha filha da cadeirinha e lá fomos as duas, e o urso, para casa da avó. Passa a vizinha não sei quantas, que tem um neto de 3 anos, cumprimenta a minha filha e depois, ao vê-la de chucha diz "Chucha caca, pff, deita fora".
Obviamente eu expliquei á minha filha que a chucha não era caca nenhuma. E só não respondi o que me apetecia "caca é a senhora", porque enfim, a boa educação e mais não sei quê.
Ora bem, a ver se nos entendemos.
A minha filha usa chucha quando está birrenta (a chucha ajuda a acalmar), quando anda no carro, e para dormir. Até podia usar o dia todo, não é isso que está em questão. A questão são estes comentários estúpidos e a mania de mandar bitates. Pessoas, não se metam onde não são chamadas. O seu neto não usa chucha, fantástico tome lá uma medalha. A minha usa e gosta, quando for altura de a tirar, tiro-a sem problemas. Mas sou eu que decido.

sábado, 2 de fevereiro de 2013

tão lindo♥

vão ver ali á Lia.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

e ontem,

depois de tudo o que aconteceu, saí mais cedo e fui ter com a minha mãe e a minha filha ao jardim. Cheguei e fiquei a olhar um bocadinho para ela, antes de aparecer. Tão linda, tão doce. Fiquei á espera que me visse, e de repente ela lá ao longe aponta o dedito e diz "É a mamma!" e vem a correr, mas depois pára e diz "Mamma, pisei cócó", e eu "Deixa estar filha, não faz mal, anda cá dar-me um abracinho!", "Mas mamma ,cócó nas botas!".  Fiz eu o resto do caminho e abracei-a e enchi-a de beijos até ela dar gritinhos de felicidade.
(e não era cócó, era terra)
E depois á ida para casa foi despedir-se das estátuas de animais que estão no jardim (como sempre, diz a minha mãe) "ciao sapo, ciao cão, ciao urso, ciao tatauga". A todos deu um beijinho, menos ao urso, que deu um abraço.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

2 anos!

♥ ♥

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

a gota no copo de água (cheio)

Já andava cansada e desmotivada no trabalho, não é novidade. O trabalho em si é uma seca, mas o que me custa, o que me dói mais é não poder estar tão presente na vida da minha filha, porque chego a casa por volta das 20h.
E hoje soube numa reunião na empresa que vamos mudar de instalações para um edifício novo, que para mim, fica na outra ponta da cidade. E isso vai significar perder mais 1h com a minha filha, e chegar ainda mais tarde.
E na reunião, a chefe perguntou a todos se estavam de acordo (como se isso fizesse alguma diferença) porque queria saber o nosso feedback. Quando chegou a minha vez, já o meu coração batia tão forte que julgo que quem estava ao meu lado o podia ouvir. Disse que lhe daria a minha opinião pessoalmente, e não ali. A reunião terminou, e ela veio ter comigo para falarmos, mas os diques já tinham rebentado e as lágrimas saltavam-me literalmente dos olhos. Saí a soluçar completamente descontrolada, e ela atrás de mim, posso ajudar estás bem? Disse-lhe que não, e saí.

Amanhã, quando estiver mais calma, e com um calmante no bucho se for necessário, vou ter que pedir transferência de campanha, um part time, o que for. Não posso de forma alguma ficar sem ver a minha filha durante a semana foda-se. Mas preciso da merda do dinheiro. Não sei o que fazer, mas sei que se emocionalmente já estava pouco equilibrada, a tentar fazer malabarismos, agora então não sei. Não sei.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

beasts of the southern wild

História de Hushpuppy, uma menina de 6 anos inteligente, imaginativa, determinada e resiliente. Um filme simpático, com imagens muito bonitas e uma aura de realidade/magia que cativa.
(mais info aqui)

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

acho que já disse isto o ano passado,

mas as nomeações para Melhor Filme, já não são a mesma coisa. Os filmes perderam o impacto, o arrebatamento. Assim, quando postar filmes nomeados que vi, que fique sempre subjacente este postzinho, a não ser que eu diga claramente "grande filmaço".

Neste solarengo fim de semana que passou

Deu para ir ao jardim encher os sapatos e calças de lama, e a miúda adorou. Ainda fiz as lides domésticas enquanto o meu jovem a levou ao pingo doce, local mui divertido para uma criança. Enviei cv's não sei bem para quê, andei a ver os saldos na mango online, mas o site estava tão lento que não consegui pôr nada na cesta (ainda bem). Finalmente terminei o (um dos) álbum de fotos da minha filha, 175 fotografias que abarcam mais de um ano e meio. Está um show!
Fiz molho de tomate para congelar, e para dar para vários pratos.  Fiz também este cheesecake, no entanto o meu e o da Leonor em comum têm somente o nome. O meu, apesar de saboroso, ficou com a consistência de um bolo, vá-se lá saber porquê. Terá sido aquele método em banho maria que não me correu bem, o forno de 300 anos, ou as natas que eram de soja? (provavelmente este último)
Depois fiz a depilação só a uma perna, não tive tempo para mais, mas não tem importância nenhuma que se nesta semana me surgir um convite inesperado para uma gala, posso sempre ir assim.

domingo, 20 de janeiro de 2013

fotos no blogger?

O que é que se passa aqui que não dá para pôr fotos?

sábado, 19 de janeiro de 2013

cara lavada (do blog)

Alguém tem assim umas dicas de sites porreiros para se mudar o blog, o header, ou lá como se chamam estas coisas? Apetecia-me mudar um bocadinho, mas já deu para perceber que não pesco nada disto, certo?

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Em relação ao post anterior

Eu tentei. Não muito devo dizer, mas tentei. E é mal escrito, básico. Não consigo ler livros assim. Não dá.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

fifty shades of grey

Ofereceram-me no natal o livro de que muito se fala por aí. Diz que há pessoas que forram o livro com vergonha que se saiba que o estão a ler (adiante). Diz a crítica que não passa de "mommy porn". Eu de porn literário só tenho como experiência o Henry Miller, esse "escritor" metido a intelectualóide de esquerda, que cultivava com afinco a aura de "estou-me nas tintas para o que pensam, vou escrever imensas vezes pénis e vagina, e fumo, e tenho óculos, e vivo em Paris e casei-me com a Marilyn".  Só li um livro dele, e nem o terminei. Uma trampa. Bem estou a divagar, tal e qual o meu avô paterno.
Quanto ao Grey, vou com zero expectativas, direi mesmo que vou com expectativas negativas. Já vos digo qualquer coisa.

cefaleia

Aqui no trabalho temos autorização para ver na internet os jornais de origem do país (língua) para o qual trabalhamos. No meu caso dou uma olhadela ao Telegraph, LA Times, Hollywood Reporter, NY Times, People, Huffington Post, etc, e o bloglines e o Público (pois, estes dois últimos não contam...)
Tenho o azar da minha colega do lado adorar o Correio da Manhã. E eu já lhe pedi encarecidamente que não comente as notícias em voz alta. Não quero saber. Não leio por opção. Foi por isso que nunca mais li o Daily Mail (só vejo o entertainment). Mas ela insiste. E tem dias que não se cala. Já sei a vida dela toda de trás para a frente. E eu não perguntei nada. Menos, por favor.
A minha colega do lado é de Chelas, freguesia de Marvila.  Não preciso dizer mais nada pois não?

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

isto dos filhos crescerem...

É bom e mau ao mesmo tempo (que comentário bipolar...)
No sábado saí enquanto a minha filha fazia a sesta. Quando cheguei, estava a lanchar com o pai. Cereais com leite. Sozinha e sem sujar nada. E eu estaquei na porta, parecia que tinha visto um fantasma. É que no outro dia ainda lhe dava papa as colheres...

morte súbita

Não deve ser fácil sair do mundo da literatura juvenil, para o mundo dos adultos. Muito menos quando se escreveu o Harry Potter, vendendo milhões de livros.
A mim este livro não me desiludiu, bem pelo contrário. Li-o com a mesma voracidade com que li o Harry Potter, mas não com a mesma ligeireza. É definitivamente um livro para adultos. Um livro duro, mas muitíssimo bem escrito.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

nasci para ser rica

Estou a fazer alergia às pérolas de um euro da Accessorize e tenho o dedo verde, derivado ao cachucho de 5 euros que comprei na Mango.

óscares 2013

Eu sempre fui muito cinéfila, até ao dia em que tive a minha filha, e a partir daí foi complicado gerir noites mal dormidas com muito sono, e filmes à mistura.
Mas isto tem de mudar porque, como já disse anteriormente (quando fui ver o Skyfall), preciso de cinema como de pão para a boca.
Assim, a ver se começo a ver alguma coisa, mesmo em casa. O problema é que como o meu jovem é italiano, por vezes é complicado vermos filmes em original. Tenho de descobrir um site onde seja simples ver filmes com legendas, porque quando se sacam torrents, depois é muito complicado adicionar legendas, para mim pelo menos.

Ora então, este ano temos as seguintes nomeações para Melhor Filme:

Amour - Gostava de ver, mas receio que me saia na rifa um dramalhão daqueles negros e deprimentes.

Life of Pi - Ang Lee, sim, sim, sim! A ver num destes fins de semana.

Zero Dark Thirty - Não vi o outro (Hurt Locker), e não sei se tenho estômago para um filme de guerra. Anda para aí um zumzum que o filme é pró-tortura, estou na dúvida.

Argo - Sim. O Ben está a revelar-se um senhor nestas lides.

Lincoln - Não. Não tenho pachorra, zero interesse na vida deste senhor, embora o Daniel seja um actor do caraças.

Silver Linings Playbook - Deve ser giro.

Beasts of the Southern Wild - sim, sim!

Django Unchained - Muito curiosa.

Les Misérables - Não. Quero ler o livro primeiro, e como é um calhamaço tremendo, o filme fica para daqui a umas décadas.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

barracada fashion,

ou, pessoas que pertencem a outra galáxia. E a justificação da marca é .... patética.

cenas fúteis (e daí talvez não) de mulheres

Ando com uma apoquentação há algum tempo. Tenho as unhas uma lástima, que se me partem todas. Não há uma semana em que não se me lasque uma unha. E depois prendem-se nos collants e nas camisolas. Não consigo meter os lençóis debaixo do colchão sem que se dobrem como papel. E eu que gosto tanto de pintar as unhas, é uma maçada. Já me dava por satisfeita conseguir estar 2 semanas sem arranjar as unhas, não preciso das 4 ou 5 semanas que publicitam por aí. (É que também não posso andar a dar naifadas à minha miúda) E isto não é uma desculpa para pôr a unhaca de gel, não senhor. Isto é mesmo um problema. Um drama. O Horror.
Ora então unhas de gel está completamente fora de questão, gelinho "nim", estou um bocado indecisa em experimentar. E agora ouvi falar em verniz de gel. Isso presta para alguma coisa? Tenho medo que as minhas unhas apodreçam, ou que me caiam os dedos. 

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

creches e cunhas

Começaram em Janeiro as pré inscrições nas creches. Tenho uma lista de 10 IPSS onde vou inscrever a miúda, rezando e rogando aos céus que entre numa delas. Em três já está inscrita, para a semana mais duas e depois o resto é em Fevereiro e Março.
Hoje fui a uma creche bem gira, uma vivenda perto de minha casa, com um espaço exterior bem cuidado e com muito verde. Assim que cheguei fui atendida por um puto-tio-surfista, que preencheu a ficha de inscrição da minha filha, enquanto eu lhe dizia o nome, data de nascimento e nome da mãe. "E vem da parte de alguém? É só para pôr aqui no papel." diz ele, e eu "Não. Mas quais são os critérios de entrada?", "Ah, pois, não, era só para saber, podia conhecer alguém, mas não se preocupe que a directora depois telefona-lhe".
Pois. Ahã.
Eu não tenho cunha, e desde já digo que as cunhas são nojentas. Só e pena eu não ter uma.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

boas maneiras

Estamos os três a jantar, quando a minha miúda começa a falar com a boca cheia de massa. Diz-lhe o pai "filha, não se fala com a boca cheia". E ela, muito séria, cospe a massa para a mão, diz o que tinha a dizer, e volta a pôr a massa na boca. Pois.
(e a vontade que tive de me rir?)

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Serenity Now! *

Há um episódio do Seinfeld brilhante, como todos aliás, que retrata um pouco o que eu não quero para mim agora.
O pai do George, o Frank, pessoa altamente ansiosa, anda a ouvir cassetes de auto-ajuda cujo mantra é "Serenity now". Mas o Frank, em vez de repetir calmamente o mantra, grita-o de braços no ar, expulsando toda a raiva. E a bem dizer isso é um auto-boicote. É só meio caminho andado, falta o resto. A coisa não funciona.
E é mesmo isso que eu andava a fazer. Apelava a uma serenidade que não percebia porque não vinha. Tenho de respirar, e deixar fluir as coisas. E perceber que não tenho de controlar tudo, uma vez que não controlo nada.
E se calhar podia rever mais uns Seinfelds.

*"Insanity later" responde o Kramer.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

a ouvir a mesma ladaínha desde 1974

Eu sou magra. Eu não "estou"magra. Nem quando estive grávida fui gorda ou engordei mais do que devia. É assim, e assim será.
E no entanto, ouço das mesmas pessoas, e de novas, ai estás tão magra, estás mais magra, emagreceste, estás a tentar passar pelos intervalos da chuva?
Não pessoas. Eu sou magra.
Alguém me poderá esclarecer, iluminar, porque raio é socialmente aceitável alguém comentar a magreza de alguém, mas a obesidade não? A mim chateiam-me desde que nasci, mas a muito boa gente que conheço, gorda, ninguém diz nada.
E a que propósito são aceites estes comentários? Acaso fazemos outros? Epá, estás a ficar careca, os teus dentes estão podres, estás com um rabo enorme caramba.
Não?
Pois.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

a minha miúda está a crescer

Apercebi-me disto porque numa das muitas noites em que ela acordou a chorar (Sim, ainda. Não, não sei porquê), eu fui ao quarto dela, peguei-a ao colo e disse-lhe " A mãe está aqui, está tudo bem, podes dormir descansada que a mãe está aqui ao lado", ao que ela responde "a mãe está aqui", "Sim" digo eu, "estou mesmo aqui ao lado e deixo a porta entreaberta ok?" "Ok. Cama mãe" diz ela. E deito-a.
A cena repete-se quase todas as noites, mas pelo menos compreende o conceito de segurança e o facto de "a mãe estar aqui".
E sim, continuo a acordar quase todas as noites pelo menos uma vez, e não, não há meio de me habituar a isto caneco. E esta é uma das grandes razões porque não terei um segundo filho. Tenho pena que a minha filha não tenha essa experiência, uma vez que sou muito próxima da minha irmã, mas não aguento mais dois anos sem dormir.
Bem, só se fizesse como a Angelina Jolie, que foi de férias com os seus rebentos e contratou 12 amas.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

sei que estou no auge da tpm quando,

lancho um leite de soja de chocolate, um pão de leite com manteiga, um pacote de batatas fritas e para terminar umas azeitonas pretas compradas na mercearia na hora de almoço.

terça-feira, 1 de janeiro de 2013